Quem não tem uma história para contar?
“Só faz quem faz”
14/04/2017  09:11


Todos nós as temos. Escrever, produzir literariamente, deixar gravado no tempo e na história as ideias, as marcas, as ações, contar as aventuras – suas e de outros –, assinalar, anotar as situações variadas, boas ou ruins, de alegrias ou tristezas... Registrar os sentimentos, os sofrimentos, as exultações, através dos versos, da poesia, do cordel, da prosa... Todos nós queremos, e de alguma forma, todos gostaríamos muito de poder fazer isso. Sobretudo, gostaríamos, mais ainda, de ver nossas produções publicadas, multiplicadas, lidas e comentadas. Ah! Como seria bom vermos nossas obras literárias nas prateleiras das livrarias, nas mãos dos leitores, sendo usadas como temas de palestras, de aulas, para a elaboração de trabalhos escolares, discutidas em roda de amigos ou nos embates acadêmicos... Seria a “apoteose” de cada um de nós. Mas, quase sempre, isso fica só no sonho. Às vezes guardadas nas gavetas empoeiradas do tempo. Poucos, muito poucos mesmo, aventuram-se e lançam suas fantasias no intangível mundo da dúvida e do entendimento. Publicam, sem nenhuma garantia de sucesso de suas ideias. São corajosos que acreditam no que fazem e, sobretudo, acreditam que podem melhorar sempre. E, ainda, sabem que só se melhora fazendo, acertando, errando, estudando, corrigindo e continuando.


Outros, no entanto – a maioria, eu afirmo –, não têm coragem de enfrentar os caprichosos e temerários caminhos da exposição. E, aí, encastelam-se nos seus pequenos mundos do “eu não posso”, pois temem as críticas, as admoestações, as chacotas, as censuras... Vão deixando para lá, ou seja, que somente os outros façam... E aí o tempo passa, não produzem e a humanidade, por vezes, perde maravilhosas histórias, e o “indolente e medroso” perde o momento e a oportunidade de ser e realizar. Realizar: única remuneração que, de fato, vale a pena. Não é somente o dinheiro que vale como paga na vida. A realização é, sem duvidas, a forma de recompensa pelo esforço, quiçá mais importante que o dinheiro.  


Escrever e publicar são atos de coragem. Quero aqui convidar a todos para que coloquem suas ideias no papel, arranjem um bom revisor e comecem, hoje mesmo, a publicar. Não há mais justificativas para a demora. Com tanto espaço nas mídias sociais para isso, não há explicação para a desídia com algo tão significante na vida de uma pessoa. Venham, vamos produzir literatura, coloquem suas inquietações no papel, publiquem e, com o tempo e o fazer constante, vamos corrigindo as imperfeições até chegarmos o mais próximo do que sonhamos. Não esqueçamos nunca: “só faz quem faz”. Da mesma forma, “quem não faz não faz”.



VEJA TODAS PUBLICAÇÕES DO BLOG
Compartilhar:
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Domingos Pascoal

Professor, Escritor e Advogado. Graduado em Filosofia e Ciências Jurídicas, Pós-graduado em Gestão Estratégica de Pessoas. Membro da Academia Sergipana de Letras Autor dos Livros: “Experimente Mudar” e “A Mudança Começa em Você”. Organizador do Concurso Literário de Conto, Crônica e Poesia da Loja Maçônica Cotinguiba I e II, das Antologias: Seleta do Encontro I, II, III e Antologia da Loja Maçônica Cotinguiba I e II.
Novidades
Anúncio
Classificados
Infonet
Rua Monsenhor Silveira 276, Bairro São José | Aracaju-SE, CEP 49015-030