A morte de um grande vate
Sergipe perde Wagner da Silva Ribeiro
03/01/2017  17:22


Sergipe perde um de seus mais ilustres intelectuais, de rara inteligência.

Morreu nesta segunda-feira, no segundo dia de 2017, Wagner da Silva Ribeiro, aos 72 anos.

Nascido em Ilhéus em 18 de março de 1944, transferiu-se ainda criança, aos três anos de idade para Aracaju. Fez de nossa cidade o seu lar, onde constituiu família. Casou-se com Ivana Almeida e teve dois filhos: Wagner (Waguinho) e Fernando (Fernandinho).
Wagner Ribeiro descende de pródiga intelectualidade. Seu avô, José da Silva Ribeiro criou, em 1919, em Aracaju, com outras personalidades culturais da época, uma instituição recreativa denominada "Hora Literária", que foi transformada depois numa sociedade literária de caráter acadêmico "autônomo”, por decisão de uma assembleia geral em 1927. A partir de 1929, a Hora Literária converteu-se na Academia Sergipana de Letras
As primeiras reuniões da entidade aconteciam numa casa na rua de Japaratuba (atual Calçadão da João Pessoa), sob a presidência do General José Calazans, passando mais tarde a serem realizadas na residência do Coronel José da Silva Ribeiro, no alto do Santo Antônio, razão pela qual alguns autores a denominam de Hora Literária do Santo Antônio.

Wagner da Silva Ribeiro é sobrinho do grande historiador sergipano José Calazans e irmão, entre outros, do médico e escritor Marcelo Ribeiro, também membro da Academia Sergipana de Letras e da Academia Sergipana de Medicina, escritor vasto, de contos, crônicas e poesias.
Minha convivência com ele foi traçada pelos laços de família que nos unia. Sua esposa, Ivana, é irmã de Ângela ( minha cunhada e viúva do mano Marcos Prado). Os dois, Marcos e Wagner, eram mais do que concunhados, eram irmãos na amizade e respeito. Na doença de Marcos, que trouxe seu desenlace em 2013, Wagner foi grande companheiro e confidente, amigo de todas as horas. Uma solidariedade exemplar!
Professor aposentado do Departamento de Direito da UFS, membro da Academia Sergipana de Letras, onde ocupava a Cadeira 11, que tem como Patrono Francisco Antônio de Carvalho Lima Júnior, sucedeu o pai José da Silva Ribeiro Filho na Cadeira. Era ainda Membro do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe.

Publicou diversos livros de poesia: Adversus, Cantares do Mar Egeu, A angústia de Zeus, Memorial do Aedo, Cantar de Ariadne, Cantar do Minotauro, Tributo aos Deuses Lares e Coroa de Sonetos, e teve várias dessas obras premiadas por instituições locais, nacionais e internacionais, entre elas a União Brasileira de Escritores, o governo francês ( Palmes Académiques), o Consulado Geral da Grécia ( Diploma do Mérito Cultural, conferido pela República Helênica).

Wagner Ribeiro fará muita falta na poesia sergipana e definitivamente se juntará aos grandes poetas, como Santo Souza e outros, no panteão dos gregos, em confabulações eternas.



VEJA TODAS PUBLICAÇÕES DO BLOG
Compartilhar:
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Lúcio A Prado Dias

Lúcio Antônio Prado Dias é médico, membro da Academia Sergipana de Medicina e do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe.
Novidades
Anúncio
Classificados
Anuncie Grátis
Rua Monsenhor Silveira 276, Bairro São José | Aracaju-SE, CEP 49015-030