Webmail
Blogs


Compartilhar: 
28/04/2012 - 07:21
Mais de oito já foram ouvidos sobre o triplo homicídio
Foragido tenente da PM que matou três pessoas dentro do Huse


Delegado Flávio Albuquerque (Fotos: Portal Infonet)

Na manhã deste sábado, 28, a equipe do Portal Infonet conversou com o coordenador de Polícia Civil da Capital, delegado Flávio Albuquerque, que desde o sábado,  27, acompanha o triplo homicídio registrado no Hospital de Urgência e Emergência de Sergipe (Huse).  Conforme já publicado, o principal suspeito pelos crimes é um tenente da Polícia Militar, identificado como Genilson Alves de Souza. A suspeita é que o oficial da PM cometeu o crime porque ficou desesperado com a morte do seu irmão, vítima de um suposto assalto no bairro Santa Gleide.

A polícia até o momento não confirma se o irmão do militar, identificado como Jailson Alves de Souza foi vítima de um assalto seguido de morte. O delegado Albuquerque disse que a investigação é sigilosa, mas adiantou que várias linhas estão sendo checadas e que mais de oito pessoas já foram ouvidas na Delegacia Plantonista.

O crime ocorreu na presença dos pacientes e profissionais que ficaram desesperados

“Várias pessoas já foram ouvidas e ao final o Departamento de Homicídios que tem a frente a diretora Tereza Simony apresentará a solução do caso. Tudo nós estamos checando não é possível precisar nenhuma das informações e nenhuma delas esta sendo descartada. Estamos apurando já existem mais de oito pessoas ouvidas e vamos aguardar a apuração. Nós ainda estamos com as oitivas em andamento várias pessoas estão sendo ouvidas de forma que a gente não pode destacar o que uma ou outra pessoa falou porque é interesse da apuração que o sigilo seja mantido”, disse o delegado.

Foragido

“O tenente encontra-se foragido e a polícia tanto civil quanto militar está no encalço para prendê-lo”, garante Albuquerque que fala sobre os momentos de pânico sofrido por pacientes e familiares.

Questionado sobre a responsabilidade dos militares que entraram com o tenente da PM no Huse, o delegado disse que aguardará a finalização da investigação. “Vários questionamentos serão respondidos ao final da apuração, mas é importante que se diga que de imediato que o hospital apresentava uma superlotação, o tumulto foi generalizado, médicos abandonando o posto de serviço, auxiliares e o tumulto foi geral”, descreve.

Por Kátia Susanna

Huse: Departamento de Homicídios investiga assassinatos
Começam a ser liberados os corpos das vítimas no Huse
Massacre: quatro pessoas são mortas dentro do Huse
Compartilhar: 
Comentários (2)
Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam o pensamento deste portal.
GILDASIO SILVA
28/04/2012 às 13:10
É sabemos que foi um alto descontrole e desespero do oficial, formula o total pesamento de que os nossos policiais não estão despreparados para situações delicadas que requer ações investigativas. Infelizmente é bem provável que não haverá conclusão pública desse caso.
liliane
28/04/2012 às 17:44
Quem está à frente? Tereza Simmony? Aí é que não vai andar nada. Em 2015 talvez tenha o resultado. É aguardar e confiar kkkk
Atendimento ao Cliente 24 horas: (79) 2106-8000
Política de privacidade
Expediente
Anuncie no Portal
Rua Monsenhor Silveira 276, Bairro São José
Aracaju-SE, CEP 49015-030
Todos os direitos reservados