Peça de Deborah Colker é baseada em poema de João Cabral
Apresentação acontece em Aracaju no dia 29 de março
  
Novo espetáculo de Débora Colker é baseado em poema de João Cabral de Melo Neto (Foto: divulgação)

Bailarinos cobertos de lama num espetáculo que trata da miséria e da destruição da natureza. É o que se verá em O Cão sem Plumas, o novo trabalho de Deborah Colker, com estreia em Aracaju no dia 29 de março, a partir das 21h, no Teatro Tobias Barreto.

E é novo de fato: a coreógrafa jamais fizera nada sequer semelhante nos 23 anos de sua companhia – que conta, desde 1995, com o patrocínio da Petrobras.

O poema homônimo, publicado em 1950 e um dos mais importantes da obra de João Cabral de Melo Neto (1920-1999), leva Deborah e seu grupo ao meio da pobreza e da riqueza do Estado de Pernambuco, no Nordeste brasileiro.

Um ambiente bem distante da Rússia de Tatyana (2011) e da França de Belle (2014), os últimos balés da companhia. E com uma linguagem que não faz lembrar os trabalhos da coreógrafa que tiveram maior repercussão internacional: O Ovo, realizado em 2009 para o Cirque du Soleil; e a abertura das Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016.

Na criação de O Cão sem Plumas, Deborah tem um parceiro: o cineasta pernambucano Cláudio Assis, diretor de filmes marcantes como Amarelo Manga, Febre do Rato e Big Jato. Imagens captadas por ele serão projetadas durante o espetáculo – não como pano de fundo, mas como parte fundamental da narrativa.

Outros artistas de Pernambuco têm presença decisiva no projeto, como os músicos Jorge dü Peixe, do grupo Nação Zumbi, e Lirinha. Eles são responsáveis pela trilha sonora – ao lado de Berna Ceppas, habitual parceiro da coreógrafa – e interpretam trechos do poema.

“O espetáculo é pernambucano, mas não é regionalista”, ressalta Deborah, que tem como influências Josué de Castro, autor de “Geografia da Fome” e “Homens e Caranguejos”, e o cantor e compositor Chico Science (1966-1997), criador do movimento mangue beat e que pregava a mistura do local com o universal.

No balé, aparecem personagens que são fundamentais para este trabalho de Deborah: os homens-caranguejo, pessoas que vivem e trabalham em torno do mangue no Estado de Pernambuco.

“Essas pessoas são guerreiras, fortes, resistem. O mangue é a comida delas. A lama é a casa delas. Vejo quase como samurais”, diz a coreógrafa, que concebeu, para a montagem, figuras que evocam guerreiros, como se as patas dos caranguejos fossem espadas. “O poema é o encontro da exuberância com a tragédia, da riqueza com a miséria.”

Em O Cão sem Plumas, João Cabral tem como protagonista o Capibaribe, rio que começa no semiárido pernambucano e chega ao Recife. Em quatro partes, o poema acompanha a sujeira das águas, a miséria da população ribeirinha, a desigualdade social, mas também a capacidade que homens e rio têm de se manter vivos, espessos – adjetivo muito usado pelo autor.

A expressão “cão sem plumas” diz respeito ao rio e aos homens que dependem dele. Conhecido por seu rigor e pela aversão a sentimentalismos, Cabral utiliza a imagem para retratar com mais força o que é o Capibaribe e a luta das pessoas pela vida.

Deborah diz que o poema é o “timoneiro” do espetáculo, que segue o mesmo percurso dos versos. Mas ela se permitiu liberdades como pôr bailarinas representando garças. As aves, muito brancas, são comuns nos mangues, muito escuros. E a coreógrafa as vê simbolizando a aristocracia.

“João Cabral previu em 1950 o que a gente está vivendo hoje: a escassez de água no mundo. Rio de Janeiro e São Paulo já têm sofrido com a falta de água. No Nordeste há barragens secas. E quem provocou isso foi o homem. O poema não tem nada de panfletário, mas não deixo de vê-lo como um manifesto”, afirma a coreógrafa.

Desde 2014, quando começou a conceber o projeto, Deborah fez várias visitas a Pernambuco e navegou pelo rio. Em novembro passado, ela, o diretor executivo e fundador da companhia, João Elias, e os bailarinos passaram três semanas realizando oficinas com moradores de seis cidades e aprendendo sobre as manifestações culturais da região. Conheceram a seca, entraram no mangue, foram em favelas onde pessoas vivem sobre o lixo.

O processo foi filmado por Cláudio Assis e fotografado por Cafi. Alimentou de referências o diretor de arte Gringo Cardia e a própria Deborah. “Voltei de lá decidida a mudar muita coisa. E fiquei certa de que o espetáculo devia acontecer inteiramente na lama”, conta ela. São lamas de várias cores, espelhando os lugares por onde o Capibaribe passa até se encontrar com o mar. Assim como no poema, o balé será, ao mesmo tempo, colorido e seco. Ou, como diz Deborah, exuberante e trágico.

Com informações da organização do evento

Compartilhar:
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
CARLOS VIEIRA
07/03/2018 às 22:49
A partir de quando os ingressos estarão sendo vendidos?
Cardoso de Almeida
21/02/2018 às 07:08
Duas coisas. A primeira o baseado em...melhor seria inspirado na obra. Segundo, o cabral e sua obra não era verso a sentimentalismos. No mais bom espetáculo ou como dizia o João de Barros "brilhar! no mais é o axial" não sei o significado, mas tudo é possível nas terras sem araras, papagaios e cajus.
Novidades
Anúncio
Classificados
Infonet
Rua Monsenhor Silveira 276, Bairro São José | Aracaju-SE, CEP 49015-030