Julgamento de militares é adiado
Os policiais estão sendo acusados de insubordinação. O fato ocorreu após recusa em dirigir as viaturas sem curso de direção, uma exigência do código de trânsito
29/07/2011  16:24
O julgamento foi remarcado para o dia 2 de agosto (Fotos: Arquivo Portal Infonet)

O julgamento dos policiais militares acusados de descumprir determinação de superior hierárquico foi adiado. O julgamento estava marcado para ocorrer na manhã desta sexta-feira, 29, na 6ª Vara Criminal, localizada no Fórum Gumersindo Bessa. Os militares se recusaram a dirigir as viaturas, por não possuírem o curso de direção para veículos de emergência, exigido pelo Código de Trânsito Brasileiro. O julgamento foi adiado por motivo de doença do advogado dos militares, uma nova data remarcada para o dia 2 do próximo mês, ás 11h.

Para o representante da Associação dos Militares do Estado de Sergipe (Amese), sargento Edgar Menezes, os militares estão sendo julgados por terem cumprido a lei federal do código de trânsito. O representante dos militares é enfático ao criticar a legislação.
“Estamos presenciando os resquícios da ditadura militar, com uma legislação arcaica onde 20 policiais podem pegar 20 anos de cadeia porque cumpriram a lei que obriga a ter o curso de direção para veículos de emergência”, menciona.

O representante da Amese, sargento Edgar Menezes

Edgar Menezes lembra ainda que já foi aprovado na câmara federal o projeto do deputado Mendonça Prado (DEM) para anistia aos militares sergipanos e que será votado no senado. “Dia 9 eu e o sargento Jorge Vieira [presidente da Amese] vamos a Brasília levar ao senador Amorim esse projeto de anistia e pedir apoio na votação que deverá entrar em pauta na primeira quinzena de agosto”, aguarda.

O projeto concede anistia aos policiais e bombeiros militares processados injustamente por realizarem atos reivindicatórios por melhores condições trabalho, por cidadania e por dignidade salarial, a merecida e justa anistia.

O representante da Amese ressalta que no Rio de Janeiro, por conta da tramitação do projeto de lei, o judiciário decidiu aguardar o julgamento dos bombeiros presos e cobra que a mesma postura do judiciário sergipano. “Esse julgamento deveria ser adiado, não tenho dúvida de que esse projeto será aprovado no senado. No Rio de Janeiro o julgamento dos bombeiros foi adiado e o judiciário sergipano também poderia adiar esse julgamento, evitando assim gastos e os problemas emocionais dos policiais que temem pegar 20 anos de cadeia porque agiram dentro da lei”, enfatiza Menezes.


Por Kátia Susanna

Testemunhas de acusação de PMs da CPTur foram ouvidas
Militares vão as lágrimas no julgamento
Militares absolvidos por 3 a 2
Tolerância Zero: militares enfrentam julgamento
Dezenove PMs temem expulsão
Segurança comprometida na Orla de Atalaia
Compartilhar:
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
Novidades
Anúncio
Classificados
Anuncie Grátis
Rua Monsenhor Silveira 276, Bairro São José | Aracaju-SE, CEP 49015-030