Professores de Aracaju fazem ato na Câmara de Vereadores
Categoria reclama do não-pagamento do reajuste salarial
12/09/2017  19:48
Adelmo Menezes, presidente do Sindipema, discursa em visita dos professores à Câmara (Foto: Sindipema)

A categoria dos professores, vinculados ao ensino do município de Aracaju, realizou um ato, nesta terça-feira, 12, em frente à Câmara Municipal de Aracaju (CMA), para expor aos parlamentares a insatisfação com o impasse entre o Sindicato dos Profissionais de Ensino do Município de Aracaju (Sindipema) e a gestão da capital.

Os professores estão em greve há doze dias, em reação ao não pagamento do piso salarial referente ao ano de 2017. A Prefeitura de Aracaju pediu um tempo de 18 meses aos sindicalistas para discutir a reivindicação. “Isso, para nós, está fora de cogitação. A administração diz que não tem dinheiro, mas estudos do Dieese dizem o contrário”, reclama a vice-presidente do Sindipema, Magna Araújo.

A classe fez a seguinte contraproposta à PMA: o reajuste seria pago nos últimos quatro meses do ano, a partir de setembro, e os valores referentes aos outros oito meses anteriores seria discutido para ser quitado de modo retroativo. “Ainda assim, alegaram que não há condições”, lamentou Araújo.

Em assembleia, também realizada nesta terça, ficou decidido que a greve seria mantida, e os próximos encaminhamentos do movimento paredista. Ao longo da semana, os professores irão realizar plenárias em escolas de quatro bairros: América, Industrial, Coroa do Meio e Santos Dumont; que irão, na próxima semana, discursar no plenário da Câmara de Vereadores; e que no dia 20, quarta-feira, enviarão um ofício e realizarão um ato em frente ao Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Por meio de nota, a Prefeitura de Aracaju alegou que “apresentou o estudo de impacto financeiro ao Sindipema, de forma detalhada e com toda a transparência. A gestão não tem como conceder o reajuste, tendo em vista que teria que pagar não somente aos servidores ativos, mas também aos inativos, o que colocaria em xeque o pagamento de salários e continuidade dos serviços básicos restabelecidos para o funcionamento da rede da Educação de Aracaju. Todos os outros itens da pauta de reivindicação já foram encaminhados. Em relação ao prefeito, ele encontra-se em viagem. A Prefeitura ainda ressalta que recebe a categoria desde o começo e permanece com o diálogo aberto”.

Por Victor Siqueira

Compartilhar:
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
Ruan dias
13/09/2017 às 06:30
A cartilha do prefeito e do governador é a mesma ! Professores com avaliação do IDEB 4,3 emburrecendo os alunos ! Por isso Sergipe vai ser sempre a capital do atraso!
Cardoso de Almeida
13/09/2017 às 05:23
Pronto. Já conversaram com o vereador Bittencourt e tudo foi resolvido, como um conto de Natal que diz aos inocentes: Papai Noel existe. Todos acreditaram e seremos felizes para sempre. Fim do impasse.
souza
12/09/2017 às 20:32
A prefeitura está com o mesmo discurso do governo, de não valorizar a educação enganando os professores! Isso só prova que todos os políticos são iguais! A culpa da greve é do prefeito!
Novidades
Anúncio
Classificados
Infonet
Rua Monsenhor Silveira 276, Bairro São José | Aracaju-SE, CEP 49015-030