Auxílio: cada conselheiro do TCE receberá R$ 140 mil
Auxílio moradia representa R$ 2 milhões na folha
14/04/2016  16:26
Conselheiros: benefícios em seis prestações (Foto: Cássia Santana/Portal Infonet)

O impacto do auxílio moradia, em valores retroativos a 2011, sobre a folha de pagamento do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe (TCE) chega a R$ 2 milhões, conforme cálculos anunciados pelo presidente Clóvis Barbosa. Cada membro da Corte de Contas receberá cerca de R$ 140 mil a R$ 145 mil, quantia que será paga em seis prestações. A primeira parcela já foi quitada e apenas dois beneficiários não fizeram o requerimento para ter acesso aos recursos: o presidente Clóvis Barbosa e o procurador especial de contas Eduardo Cortez.

Além dos conselheiros e procuradores do Ministério Público Especial de Contas, três conselheiros aposentados têm direito ao benefício, inclusive Flávio Conceição punido com a aposentadoria depois de ter o nome envolvido na Operação Navalha, desencadeada pela Polícia Federal que investigou desvio de recursos públicos em esquema de suposta fraude em processos de licitação para realização de obras públicas. Segundo o presidente do TCE, os três conselheiros aposentados receberão um montante menor, levando em consideração a proporcionalidade relativa ao tempo em que estiveram na ativa e a época em que o benefício foi instituído.

O presidente Clóvis Barbosa explicou que não fez o requerimento para receber o benefício retroativo porque ainda “não está ciente da legalidade do ato”. Clóvis explicou que no próprio tribunal, entre os assessores jurídicos, há opiniões divergentes, mas optou por efetuar o pagamento em obediência à decisão tomada pelos próprios conselheiros em sessão plenária daquela Corte de Contas. A não obediência, conforme explicou, poderia afastá-lo da Presidência do TCE, segundo justificou. “Optei por pagar porque havia decisão do colegiado, tinha que obedecer ao princípio da colegialidade, sob pena de ser afastado por não cumprir decisão do colegiado”, disse.

Clóvis Barbosa observou ainda que teria que seguir as decisões tomadas pelo Tribunal de Justiça, o que seria o princípio da simetria. “Tudo aquilo que é aplicado aos desembargadores é aplicado aos membros do Tribunal de Contas”, explicou. Mas o ato do TCE poderá ser anulado. Já existe questionamentos em tramitação no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para tornar nulo aqueles atos que culminaram com a concessão do benefício em efeito retroativo para desembargadores e demais membros dos órgãos auxiliares.

Havendo decisão do CNJ contra, os desembargadores e também os conselheiros do TCE perdem o direito e serão obrigados a ressarcir aos cofres públicos o montante pago, segundo entendimento de Clóvis Barbosa. “O CNJ pode anular e um ato nulo não gera efeitos, não gera direitos. Caberá ressarcimento ao erário daquilo recebido”, disse.

Por Cássia Santana

Universitários oferecem auxílio na declaração do IRPF
OAB/SE vai analisar retroativos de auxílio moradia
Retroativo do auxílio-moradia de procuradores é aprovado
Auxílio do TCE: retroativo pode mexer no orçamento
TCE vai pagar diferença do auxílio moradia
TCE ainda sem definição de retroativo do auxílio-moradia
Servidores do TJ esperam fim do auxílio moradia
Juízes suspendem auxílios a magistrados aposentados
Compartilhar:
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
Felipe M
15/04/2016 às 08:49
Que vergonha. Agora é só ver quem são os membros do tribunal de contas. Em sua maioria, políticos corruptos sem meritocracia alguma. Subiram ao poder comprando votos, a partir do sofrimento de pobres coitados. Há muito tempo não acredito nesse país. Felizmente estou caindo fora! Todos uns LIXOS!
junior
15/04/2016 às 08:33
sabia que esse clovis era manhoso tambem
CONRADO FILHO
14/04/2016 às 22:20
E O SERVIDOR REAJUSTE ABAIXO , NÃO SABE QUANDO VAI RECEBER POR NÃO TEM MAIS CALENDARIO DE PAGAMENTO, O PAGAMENTO DA URV SEM DEFINIÇÃO O QUAL PODERIA HAVER UM ACORDO E SER PARCELADO ,COMO FOI ESTE BENDITO AUXILIO "É VERDADE PARA ALGUNS DIREITOS E O RESTANTE DEVERES.....
Novidades
Anúncio
Classificados
Infonet
Rua Monsenhor Silveira 276, Bairro São José | Aracaju-SE, CEP 49015-030