Deputados cassados não podem disputar eleição
TSE começa a julgar recursos nesta terça-feira
12/03/2018  16:59

Deputados estaduais cassados pelo Tribunal Regional Eleitoral (Fotos: Portal Infonet)

Os deputados estaduais cassados pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) por uso indevido das verbas de subvenções nas eleições de 2014 permanecerão inelegíveis e não poderão disputar mandato eletivo nas eleições de outubro, caso não seja concluído o julgamento dos recursos que tramitam no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Havia expectativa do julgamento de alguns processos nesta terça-feira, 13, e que entrariam na pauta do TSE recursos interpostos pelos deputados estaduais Augusto Bezerra (DEM), Zezinho Guimarães (MDB), Gustinho Ribeiro (PSD), Jeferson Andrade (PSD), Capitão Samuel Barreto (PSL), pelo deputado federal Adelson Barreto (PR) e pela ex-deputada estadual  Susana Azevedo, que atualmente ocupa cargo vitalício no Tribunal de Contas do Estado de Sergipe (TCE).

Mas a assessoria de imprensa do TSE descartou esta possibilidade, informando que os recursos não foram inclusos na pauta e que o ministro Luiz Fux, relator dos referidos recursos, estaria ausente da plenária que ocorrerá nesta terça.

A procuradora regional eleitoral Eunice Dantas, que atuou nos processos judiciais iniciados na Justiça Eleitoral de Sergipe, até concedeu entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira, 12, convicta de que os processos estariam inclusos na pauta. Na coletiva, a procuradora regional destacou que o deputado estadual Zezinho Guimarães é o único que tem situação diferenciada nestes processos. Com relação ao peemedebista, o vice-procurador-geral eleitoral Nicolao Dino modificou entendimento da Procuradoria Regional Eleitoral para recusar a cassação do mandato e se limitar a aplicação de multa pelo desvio de R$ 20 mil das verbas de subvenções em benefício de assessores do parlamentar na Assembleia Legislativa. “O vice-procurador-geral da república entendeu que seria caso de multa, apesar da gravidade do caso”, enalteceu Eunice Dantas.

Eunice Dantas: farta prova para condenar deputados (Foto: Cássia Santana/Portal Infonet)

Nos autos, o vice-procurador-geral eleitoral Nicolao Dino se manifesta pelo entendimento de que “a conduta ilícita [supostamente praticada pelo deputado Zezinho Guimarães] não possui gravidade suficiente a ensejar a cassação imposta pela Corte Regional [Tribunal Regional Eleitoral], tendo em vista que o montante efetivamente desviado [R$ 20 mil] foi ínfimo a considerar o valor que o recorrente [o deputado Zezinho Guimarães] possuía à sua livre disposição, qual seja R$ 1,5 milhão”, destaca o vice-procurador-geral eleitoral em parecer emitido no recurso ordinário interposto pelo parlamentar na tentativa de rever a decisão do TRE.

Pedidos mantidos

Nos recursos interpostos pelos demais réus,  o vice-procurador-geral eleitoral  manteve o entendimento da Procuradoria Regional Eleitoral, defendendo a cassação do mandato de todos eles. “Pela farta prova, esperamos que sejam mantidas as decisões da Corte Eleitoral de Sergipe nestes julgamentos”, enalteceu Eunice Dantas. O destino destes sete réus ainda é incerto. Permanecendo sem julgamento até o prazo final para o registro de candidaturas, conforme explicações da procuradora Eunice Dantas, nenhum destes parlamentares réus poderá disputar cargo eletivo nas próximas eleições, que ocorrem em outrubro próximo.

A procuradora regional eleitoral toma base parâmetros da Lei Complementar 135/2010, nacionalmente conhecida como Lei da Ficha Limpa, que limita os direitos políticos dos brasileiros condenados por decisão de um  colegiado, mesmo que ainda caibam recursos para instâncias superiores. Como todos eles foram cassados por decisão do TRE, estão enquadrados na Lei da Ficha Limpa, conforme esclarece a procuradora da república.

Por Cássia Santana

MATERIAS RELACIONADAS
Compartilhar:
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
Sergipano
13/03/2018 às 10:21
Levando o entendimento da Proc. Reg. Eleitoral... Acho que a justiça deveria soltar os ladrões de caixa eletrônicos, visto que eles roubam muito pouco comparando o montante que tem dentro da agência.
aje
13/03/2018 às 10:02
Dos 7 citados. 4 irão disputar em outubro e vão ganhar as eleições. No mínimo entraram com algum "recursos" o povo escolhe bem nossos representantes
Armando Uchoa
13/03/2018 às 08:03
Se investigar um pouco mais enho certeza que todos eles que estao ai do TC e outras .. teriam o mesmo fim
Novidades
Anúncio
Classificados
Infonet
Rua Monsenhor Silveira 276, Bairro São José | Aracaju-SE, CEP 49015-030