Nova lei de licitações quer acabar com farra de aditivos
Deputado relator defende mais rigor na análise de empresas
03/05/2018  15:15
Deputado pretende apresentar parecer na segunda quinzena de maio (Fotos: Portal Infontet) 

A comissão especial formada por deputados federais para elencar as propostas de reforma da lei de licitações, prevista no projeto de lei 6814/17, já sinalizou que pretende acabar com vícios como abuso de aditivos em cima do valor da licitação no decorrer do contrato. Para o deputado João Arruda [MDB-PR], relator do projeto, uma das soluções é aumentar o rigor no processo de análise das propostas das empresas no certame e avaliar o seu capital financeiro, estabelecendo garantias de que a responsável pela obra cumprirá os prazos e objetivos da licitação, independente de intercorrências como atraso de faturas. Em 2016, o Senado já havia aprovado algumas alterações na lei, mas os deputados viram a necessidade de uma reforma mais ampla.

“O que temos visto em licitações são empresas ganhando com valores baixos, negociando com o poder público através de projetos mal feitos, e trabalham a indústria dos aditivos. Queremos preço justo, qualidade do serviço e garantia do cronograma”, frisou Arruda, durante entrevista no Tribunal de Contas do Estado nesta quinta-feira, 5. Mas, ele reitera que o rigor também deverá valer para o poder público. “Nós queremos ter a certeza antes de lançar o edital de que o contrato está garantido do ponto de vista orçamentário, com todas as licenças ambientais, processo de desapropriação concluído, para que a empresa vencedora do processo tenha tranquilidade para seguir seu cronograma”, pontuou.

Luciano Barreto: paralisação de obras tem que parar de acontecer 

Para o presidente da Associação Sergipana de Obras Públicas e Privadas (Aseopp), o empresário Luciano Barreto, Aracaju vive um exemplo das consequências de licitações que tiveram prazos e etapas cumpridas. “Hoje nós temos mais de mil obras paradas na capital, e isso tem que acabar. Com a lei, quem ganha é a sociedade. Teremos obras de qualidade, dentro do prazo, e fazendo jus aos impostos pagos pelos cidadãos”, afirmou.

O projeto de lei, de acordo com o deputado João Arruda, também pretende revisar os seguros em contratos oriundos de licitação, justamente para resguardar as partes que fiquem lesadas com algum problema no decorrer da obra. São os chamados ‘seguro garantia’ e ‘carta fiança’. “É mais segurança para todas as partes, eficiência na execução de contratos e, sobretudo, combate a corrupção e desvio de recursos públicos”, disse. O deputado Arruda, pretende apresentar seu parecer ainda neste mês de maio para apreciação dos deputados no Congresso Nacional.

Por Ícaro Novaes

Compartilhar:
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
Cardoso de Almeida
03/05/2018 às 16:49
Podem revolucionar a Lei, de nada adiantará, pois da pequena a grande empresa, os vícios são grandes e as combinações de preços são acertadas antes do certame. Os aditivos irão continuar. As empresas reclamam, mas elas enriquecem com recursos públicos. Quando fazem as suas obras privadas, todo o material é de primeira qualidade e o tempo de entrega é exato. Nos poupe de hipocrisias.
Susane Langer
03/05/2018 às 16:16
Muito interessante, espero profundamente que entre em vigor, esses aditivos é uma farra em todos os órgãos públicos, permanecem os que lhe convém.
Novidades
Anúncio
Classificados
Infonet
Rua Monsenhor Silveira 276, Bairro São José | Aracaju-SE, CEP 49015-030