Servidores do Cirurgia mantêm greve e fazem protesto
13º e salário de dezembro ainda não foram depositados
12/01/2016  14:50

Manifestantes ocuparam calçada do Hospital Cirurgia (Fotos: Portal Infonet)

No segundo dia em que cruzam os braços os profissionais da área administrativa, técnicos de enfermagem, do setor ambulatorial e de serviços gerais do Hospital Cirurgia, a expectativa pelo pagamento do 13º salário e do salário referente ao mês de dezembro aumenta. De acordo com o diretor do Sindicato dos Trabalhadores na Área da Saúde do Estado de Sergipe (Sintasa), João Wadson Santos, há um ano ocorrem atrasos referentes aos pagamentos de salários.

“Com o não pagamento desses valores e do proporcional de férias, a situação desses servidores agravou. Constatamos também irregularidades em valores referentes ao INSS e ao FGTS, desencadeadas há mais de um ano”, ressaltou o diretor, que garante a atuação de 30% dos servidores do hospital para serviços de saúde classificados como prioritários.

Prejuízos  

João Wadson alega também más condições de trabalho e indefinições quanto a convenção coletiva

No setor de lavanderia, por exemplo, as equipes estão priorizando a higienização dos materiais cirúrgicos para procedimentos eletivos. Inclusive, a gestão do hospital está priorizando os pacientes que já estão sendo assistidos pela unidade. Os que chegam não estão sendo admitidos por falta de recursos”, acrescentou João Wadson.

Além dessas reivindicações, segundo o diretor do Sintasa, os servidores do Hospital Cirurgia estão tendo que enfrentar más condições de trabalho e indefinições quanto à convenção coletiva, que trata de garantias trabalhistas, como o plano de carreira das categorias, contribuições sindicais, reajustes salariais, folgas, entre outros aspectos.

Técnica de Nutrição há 23 anos, Lúcia Gomes destaca a maneira como a ausência de repasses financeiros ao hospital tem afetado o serviço de assistência nutricional no Cirurgia.

“Há vários meses, estamos recebendo salários depois dos dias 15 ou 16 de cada mês e, além disso, testemunhando a inadimplência da unidade para com as empresas fornecedoras de alimentos. Com isso, somos obrigados a fazer ajustes para garantir a alimentação dos pacientes mais graves ou os mais vulneráveis, a exemplo dos idosos. Os funcionários também reclamam diante da alimentação inapropriada que está sendo servida, especialmente, nesse momento em que passam por dificuldades financeiras”, destacou a servidora.

Lúcia Gomes ressalta que falta de repasses compromete alimentação de pacientes e funcionários

Repasses

A suspensão dos serviços se dá em função da ausência de repasses financeiros por parte da Prefeitura de Aracaju, através da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), estando a unidade também apta a receber repasses financeiros do Governo do Estado. Conforme parecer da Secretaria de Estado da Saúde, um montante de R$ 1,17 milhão foi depositado ainda nesta segunda-feira, 11, e aguarda efetuação de pagamentos ao Hospital Cirurgia por parte da Prefeitura, responsável pelo repasse, tanto de recursos próprios, quanto do Governo Federal e do Estadual.

Por Nubia Santana    

Acordo no MPE pode por fim à greve no Hospital Cirurgia
Funcionários do H. Cirurgia paralisam as atividades
Servidores do Cirurgia paralisam atividades por uma hora
Funcionários do Cirurgia ameaçam paralisar atividades
Lixo acumulado no Hospital Cirurgia é retirado
Maternidade Santa Isabel suspende cirurgias eletivas
Cirurgias e partos continuam suspensos no Santa Isabel
Dívida da PMA suspende novamente atendimento no Cirurgia
HU inicia em SE cirurgias inéditas de joelho pelo SUS
População acumula lixo em canal do bairro Cirurgia
Dívida da PMA com H. Cirurgia é de quase R$ 15 milhões
Radioterapia: Cirurgia entrega projeto aos bombeiros
Carro da SSP: vítima de acidente se recupera de cirurgia
Compartilhar:
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
Netto
12/01/2016 às 16:52
O pior é que quem acaba pagando a conta, é quem precisa!!! Os governantes não dão importância alguma para os movimentos grevistas ou paradistas com é o caso aqui. Infelizmente, sofremos com os atrasos de pagamentos e proporcionamos a quem não tem culpa alguma, sofrimento igual. Vejam a greve do INSS (Peritos), vejam a dos Auditores (Fisco), quem está sendo penalizado é justamente quem nada tem a ver. Os trabalhadores precisam mudar a estratégia para atingir efetivamente os responsáveis.
Novidades
Anúncio
Classificados
Infonet
Rua Monsenhor Silveira 276, Bairro São José | Aracaju-SE, CEP 49015-030