Problemas de fala demandam tratamento ainda na infância
Quanto mais cedo o diagnóstico, mais fácil é o tratamento
12/01/2017  07:53
Fonoaudióloga Clarissa Santana fala sobre problemas de comunicação na infância (Fotos: Portal Infonet)

Nos primeiros meses de vida, o principal meio de comunicação se dá pelo choro. Com o passar do tempo, habilidades como o riso, o olhar, e a adaptação de expressões faciais viram meios de interação adquiridos para demonstrar sensações. Segundo a fonoaudióloga Clarissa Santana, com aproximadamente um ano, uma criança pode ser capaz de falar algumas palavras simples, como "mamama, papa, agu", compreende ordens simples, gestos de não. 

A fonoaudióloga diz ainda que, por volta dos dois anos, a criança consegue falar mais palavras e já começa a inserir verbos simples no vocabulário em frases curtas, como "quer comer não", "quer casa vovó".  “Se chegar nessa faixa etária e os pais notarem que a criança não consegue falar ou responder a estímulos auditivos é recomendável que se identifique, juntamente com o pediatra, se todo o desenvolvimento da criança está em atraso [cognitivo,motor e llinguístico]. E procure um especialista o quanto antes”.

Clarissa também adverte que se deve considerar que cada criança tem seu desenvolvimento global e linguístico particular. "Então, é importante dizer que não é por que uma criança está nessa idade, se desenvolvendo dessa forma, que a outra assim o faça. Muitas são as causas para se justificar atraso no desenvolvimento da linguagem, mas muitas vezes se uma criança demorar a falar mais que a outra é apenas um desvio em relação a média", explica.

Desvios fonéticos e fonológicos, gagueira, TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade), deficiências auditivas, autismo e  disfagia são alguns diagnósticos passíveis de acompanhamento fonoaudiólogico. 

Uma vezque se encontre na criança um diagnóstico de desvio fonético ou trocas de fala, o tratamento, segundo Clarissa, atua em “exercícios de mobilidade e tonicidade de lábios, língua entre outros exercícios, para encontrar o ponto articulatório do som das palavras". Ela ainda fala sobre a importância da presença e compreensão dos pais em terapia. “A extensão do tratamento terapêutico é a casa. Eles precisam saber que estratégia é utilizada, como eles precisam atuar no lar e no cotidiano,  e serem orientados a lidar adequadamente com as limitações de seu filho”, diiz.

O atraso do desenvolvimento da fala também pode ter origem na gestação."Se a mãe, por exemplo, contrair rubéola enquanto grávida, a criança pode nascer com perda auditiva e, consequentemente interferir na comunicação". O autismo também pode influenciar no desenvolvimento da linguagem. Nesse caso, o diagnóstico multidisciplinar e o tratamento são feitos de maneira mais cautelosa e próxima do que é apresentado pela criança, segundo Clarissa.

Patrícia fala da importância do fonoaudiólogo para o tratamento de Ícaro

“Buscamos outras estratégias para trabalhar com ela, geralmente com atividades lúdicas, que são muito importantes para atingi-las; acompanhamento multidisciplinar, com participação da escola, de psicopedagogos, e a inserção do contato com outras crianças. Mas é fundamental também trabalhar com o que a criança oferece para a gente, através de seus campos de interesse, que às vezes se dão por meio da música, contato com animais ou tecnologia”.

Patrícia Alves comenta que a descoberta do tipo de autismo de seu filho se deu através de consultas com uma fonoaudióloga. “Ele apresentava problemas de fala e não fixava o olhar. O tratamento foi a principal porta para conhecer a real situação”, detalha.

Por Victor Siqueira e Jéssica França

Compartilhar:
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
Novidades
Anúncio
Classificados
Infonet
Rua Monsenhor Silveira 276, Bairro São José | Aracaju-SE, CEP 49015-030