Verão: médico alerta sobre cuidados com a desidratação
A exposição excessiva aos raios solares pode trazer malefícios
03/01/2018  16:43
A exposição excessiva aos raios solares pode trazer malefícios (Foto: Arquivo Infonet)

Teve início no dia 21 de dezembro e segue até o dia 20 de março a estação mais quente do ano: o verão, período em que as temperaturas permanecem elevadas e os dias são mais longos que os de outras estações, além de ser uma ocasião de férias. Por isso, alguns cuidados devem ser adotados para aproveitar bem esse tempo de sol, praia e diversão.

A exposição excessiva aos raios solares pode trazer malefícios à saúde, como envelhecimento precoce, câncer de pele, queimaduras. O diretor técnico do Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), Judson Tadey, explica alguns cuidados importantes que devem ser adotados para aproveitar com responsabilidade o período de calor forte e umidade do ar.

“Os raios ultravioletas (UV) são prejudiciais a saúde, por isso, a aplicação de um filtro solar acima de 15 (FPS) é essencial, reaplicando a cada três horas. Outros fatores que ajudam a bloquear o sol forte é o uso de chapéu, boné e camisas de proteção para evitar a radiação solar, particularmente nos horários das 10 horas às 16 horas. Hidratação é fundamental, portanto é preciso beber muito líquido a todo instante para não desidratar. Essas são principais medidas para aproveitar bem o verão”, explicou.

O médico ressalta também que os horários para quem faz caminhadas e atividades ao ar livre é nas primeiras horas da manhã. “Isso ajuda a prevenir a desidratação, sempre ter uma garrafa de água ou de bebidas isotônicas para reposição dos minerais também é importante. Seja um exercício leve ou um intenso, a hidratação é fundamental e deve ser adotada na rotina do dia a dia. É importante frisar que sempre a que sentimos sede significa que já estamos desidratados, a sensação de sede não deveria existir se estivéssemos corretamente hidratados. Temos que ingerir cerca de dois litros diários”, disse.

Umidade do ar

Dentro desse contexto, analisando a umidade do ar tem questões que podem ajudar as vias respiratórias, como manter o ar umedecido com umidificadores ou panos umedecidos e estendidos dentro da casa, uma planta também ajuda a umidificar e harmonizar o ambiente. No Huse chegam casos de desidratação, processos diarréicos que levam a pessoa a ter uma perda considerável de líquido independentemente da idade. Existem duas populações que devem ser olhadas com cuidado: a infantil e a idosa.

Nestas populações registra-se dificuldade em manter uma hidratação. A criança quando está brincando, por exemplo, só se lembra de beber água quando realmente está com sede, enquanto no idoso o mecanismo da sede envelhece e a grande maioria não vai sentir sede, por isso que muitos dos idosos devem se hidratar como se estivessem realizando um tratamento. Uma grande parte dos idosos que chega no consultório está desorientada, com insuficiência renal aguda porque o mecanismo de sede não aparece. Com o idoso é muito frequente, por isso é preciso que eles consumam bastante líquido diariamente”, enfatizou Judson Tadey.

Ele frisou que a desidratação pode acontecer em qualquer faixa etária. Os pacientes diabéticos urinam muito, eles podem entrar em estado de desidratação severa, os pacientes respiratórios crônicos quando entram em crise de falta de ar eles desidratam pela rápida respiração e perde líquido pela respiração, depende muito da circunstância, mas, o olhar diário deve ser na população infantil e idosa.

Fonte: SES

Compartilhar:
Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
Novidades
Anúncio
Classificados
Infonet
Rua Monsenhor Silveira 276, Bairro São José | Aracaju-SE, CEP 49015-030