Transferência de crianças para UTI é discutida no MPE
20/04/2017













Promotora de Justiça dos Direitos do Consumidor, Euza Missano (Foto: Portal Infonet)


"Conseguimos com os hospitais privados a formação de uma UTI pediátrica. E essa UTI está concentrada no Hospital São Lucas". A afirmação é da promotora de Justiça dos Direitos do Consumidor, Euza Missano, que na manhã desta quinta-feira, 20, reuniu-se em uma audiência extrajudicial com representantes da Secretaria de Estado da Saúde (SES), Secretaria Municipal da Saúde (SMS) e do Hospital São Lucas para tratar da transferência de crianças internadas em hospitais da rede pública e privada para uma Unidade de Tratamento Intensivo Pediátrico (UTI).



Segundo a promotora, ficou definido que todos os pacientes pediátricos dos hospitais privados têm uma regulação própria, e quando necessitam de UTI a vaga é aberta no próprio Hospital São Lucas. "Isso tudo com patrocínio das operadoras", diz Euza Missano, ao ressaltar que diante dessa realidade o Hospital São Lucas estava sofrendo com relação a vaga porque muitas vezes existiam pacientes que seriam de leito do Sistema Único de Saúde (SUS), ocupando a UTI Pediátrica do hospital privado.



Nos casos em que eventualmente a família não tenha condição de fazer o pagamento do tratamento da criança na UTI Pediátrica do São Lucas, a criança poderá ser removida para uma das vagas dos leitos SUS existente nos hospitais Santa Isabel e no HUSE. Isso foi possível graças a um ajuste feito com o Estado e o Município através do Sistema de Regulação (SIGAU), assim como já existe no caso dos pacientes adultos. "Hoje nenhum pai, nenhuma mãe, deverá sofrer o constrangimento de não ter a vaga pediátrica para o seu filho", afirma a promotora de Justiça. 



Por Moema Lopes