TCE diz que mudanças na SSP não freiam investigações
20/04/2017













Barbosa: freio em investigações piora a situação (Foto: Arquivo Portal Infonet)


As possíveis mudanças que poderão ocorrer na estrutura do Departamento de Crimes Contra a Ordem Tributária e Administração Pública (Deotap) não exercerão influência nas investigações que estão em andamento pela força tarefa criada na estrutura da Deotap para dar suporte à Operação Antidesmonte articulada pela Tribunal de Contas do Estado com parceria do Ministério Público Estadual. Este é o entendimento do conselheiro Clóvis Barbosa, presidente do TCE.



O conselheiro deixa claro que respeita as decisões administrativas do Poder Executivo, mas declara apoio irrestrito à delegada da Polícia Civil Danielle Garcia torcendo para que esta servidora da SSP se mantenha no comando do Deotap. “Seria uma grande besteira o Estado afastar esta servidora, esta delegada de polícia, que tem contribuído por um Brasil mais justo e por um Brasil mais ético”, resumiu.



Ao ser empossado secretário da Segurança Pública, o delegado da Polícia Civil João Eloy sinalizou sobre a possibilidade da nova cúpula da SSP repensar a atuação do Deotap nas investigações que envolvem a força tarefa criada no âmbito da Operação Antidesmonte e não descartou a possibilidade desta equipe ficar reduzida. O conselheiro Clovis Barbosa não enxerga nesta reação de João Eloy uma tentativa de frustrar investigações que envolvem supostos desvios de recursos públicos e desmandos administrativos em prefeituras sergipanas, mas alerta que manobras neste sentido não serão frutíferas. “Qualquer tentativa de frear a qualquer atividade da Deotap não vai dar certo. Vai, sim, piorar a situação”, enalteceu Barbosa.



O presidente do TCE informou que ações paralelas para investigar supostas irregularidades e crimes que envolvam gestores públicos também estão sendo desenvolvidas por outros órgãos públicos de controle e fiscalização. Além do TCE e do Ministério Público Estadual, também já estão atuando nestes procedimentos a Polícia Federal e o Ministério Público Federal. Segundo Clóvis Barbosa, representantes destes órgãos estão em sintonia realizando constantes reuniões e discutindo os indícios das irregularidades detectadas. Ele garante que em breve os órgãos apresentarão resultados mais concretos a respeito destas investigações.





Por Cássia Santana